Ramagem teria pedido monitoramento de adversários políticos de Bolsonaro, diz PF

26 jan 2024 - Brasil - Mundo

Alexandre Ramagem, ex-diretor da Abin — Foto: Divulgação

A Polícia Federal indicou na operação que tem como alvo Alexandre Ramagen, ex-chefe da Abin, que então adversários do governo de Jair Bolsonaro eram monitorados a mando de Ramagen. Segundo documento liberado pelo Supremo Tribunal Federal nesta quinta-feira (25), os investigados utilizaram o software espião First Mile para monitorar os políticos.

O monitoramento acompanhava o então presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, da então deputada federal Joice Hasselmann, do ex-governador de São Paulo, Rodrigo Garcia e do advogado Roberto Bertholdo.

Operação Vigilância Aproximada

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quinta-feira (25), a Operação Vigilância Aproximada para investigar uma “organização criminosa que se instalou na Agência Brasileira de Inteligência (Abin)” com o intuito de monitorar ilegalmente autoridades públicas e outras pessoas, utilizando-se de ferramentas de geolocalização de dispositivos móveis sem a devida autorização judicial.

Um dos alvos da operação é o deputado federal Alexandre Ramagem. A PF foi inclusive foi ao gabinete e ao apartamento funcional do deputado.

A PF cumpre 21 mandados de busca e apreensão, além de medidas cautelares diversas da prisão, incluindo a suspensão imediata do exercício das funções públicas de sete policiais federais. As diligências de busca e apreensão ocorrem em Brasília/DF (18), Juiz de Fora/MG (1), São João Del Rei/MG (1) e Rio de Janeiro/RJ (1).

Ramagem é ex-diretor da Abin e atual deputado federal. Ele comandou a agência no governo Jair Bolsonaro.

Acompanhe as notícias do POVOPB pelas redes sociais: Instagram e Twitter.

Verified by ExactMetrics